sexta-feira, setembro 28, 2012


Os dias são o prolongamento do sonho, que de acordar me deixa
Sozinha no silêncio em que respiro
Em jeito de pecado, vendo-me numa torrente de anseios
Sou o dilúvio da indecisão,
A água que corre são lágrimas que não consigo conter...